sábado, 27 de fevereiro de 2010

Os Sete Passos do Filho Pródigo

A parábola do filho pródigo nos trás um grande número de mensagens, dependendo da ótica pela qual formos analisá-la. Gostaria de pensar com os irmãos e amigos acerca dos sete passos que o filho pródigo teve que tomar para regressar ao lar:
1º)  Despertar; cair em si. (vv. 17) Ele caiu em si, viu que a sua condição era pior do que as condições dos trabalhadores do seu Pai;
2º) Reflexão: Ele padecia necessidades;
3º) Sua decisão: "levantar-me-ei..." (vv. 18) Num ímpeto de lucidez, após ver que todas as suas reservas haviam se extinguido dissolutamente, ele decide retornar à casa do Pai;
4º) Sua confissão de pecados: "Pai, pequei contra o céu e perante ti."
5º) Sua declaração: "Eu não sou digno de ser chamado seu filho..." (vv. 19); Ele reconhece que uma vez, tendo recebido a sua parte da fazenda, da forma como ele havia feito, perdera também, o direito de filho.
6º) Sua prontidão: Abrir mão de tudo: " faze-me como um de seu trabalhadores."  Ele, na sua concepção, achava que o Pai, iria tratá-lo de forma áspera, haja visto que, por culpa dele, sua propriedade havia sido reduzida à metade;
7º) Seu regresso: levantou-se (vê-se que ele estava caído) e foi.

Ao chegar a sua casa, vê que tudo que ele pensava acerca do Pai, cai por terra no exato momento que o pai o vê, pois de longe, ainda , o Pai já o vê, pois já o aguardava; pois foi correndo ao seu encontro, abraçou-o e o beijou. Cuidou dele, vestiu-lhe, calçou-lhe os pés, pôs-lhe um anel no dedo (homenagem), ceou com ele e mandou dar uma grande festa, (regozijou-se).
Notem os amados que sempre que escrevo acerca do Pai, da parábola, coloco-o com p maiúsculo, pois Jesus, ao fazer essa narrativa, quer tipificar o próprio Pai Eterno, que mesmo quando saimos de sua Santa e Gloriosa presença, nunca deixa de nos esperar. Temos que tomar algumas atitudes é claro, como as que o filho tomou, mas o mais importante de tudo é saber que os nossos pensamentos, não são os mesmos pensamentos do Pai. Pensem comigo: imaginem um homem rico, que perdera metade de sua fortuna por um filho, e depois o recebe de braços abertos, tem compaixão dele, cuida dele, o homenageia e se alegra com sua volta. Só mesmo o Senhor Deus para fazê-lo, pois particularmente falando,  acho que poucos pais terrenos fariam tal coisa, mas o Nosso Deus faz, porque Ele é amor, Ele não ama porque Ele quer, Ele ama porque Ele é a própria essência do Amor. Amor ágape, amor que não espera nada em troca. Deus abençoe a todos, em nome de Jesus. 

Um comentário:

  1. Visitei seu blog. Visite o meu e se gostar podemos fazer uma interação. Um grande abraço na paz e na graça de nosso Senhor Jesus Cristo. http://joaorevela.blogspot.com/

    ResponderExcluir